Pioneira no Brasil, CBA capta R$ 500 milhões em crédito verde para fomentar exportação e projetos sustentáveis – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

Pioneira no Brasil, CBA capta R$ 500 milhões em crédito verde para fomentar exportação e projetos sustentáveis

 

A nossa associada CBA concluiu a captação de R$ 500 milhões, por meio de financiamento “verde”, utilizando como instrumento financeiro a Nota de Crédito à Exportação (NCE). O recurso, captado em duas operações distintas, está sendo aplicado na promoção de melhorias no processo produtivo, de modo a gerar benefícios socioambientais tangíveis para a cadeia do alumínio, buscando ainda fomentar as exportações da empresa.

Em ambas operações, a CBA foi pioneira no Brasil ao emitir uma NCE Verde utilizando um parecer técnico, onde uma consultoria especializada analisou a empresa e seus principais projetos socioambientais. A iniciativa também reafirma o compromisso com as práticas de ESG – Meio Ambiente, Social e Governança (traduzindo a sigla do inglês).

“A sustentabilidade é o princípio que orienta e estrutura as ações e projetos da CBA para a melhoria da competitividade e geração de valor percebido para clientes, fornecedores, empregados e a sociedade. A intensificação dessa jornada é reflexo de um compromisso de longo prazo, que tem sido impulsionado por uma crescente demanda por soluções em alumínio com reduzido impacto ambiental, especialmente no mercado internacional”, destaca Luciano Alves, diretor financeiro da CBA.

A primeira captação, feita por meio de acordo bilateral com o Bradesco no início do ano, tem prazo de oito anos, enquanto a mais recente, captada junto ao Santander em agosto, tem vencimento em quatro anos. Ambas exigem que, durante toda a vigência do contrato, a CBA forneça informações sobre a alocação dos recursos e o acompanhamento dos indicadores de desempenho dos projetos “verdes” pré-estabelecidos e aprovados pela Consultoria.

Os projetos que receberão os investimentos visam a redução da emissão de gases de efeito estufa, a diminuição da geração de resíduos e do consumo de insumos, e possuem, ainda, foco na gestão sustentável de recursos naturais que envolvem a redução no consumo de água.

Estratégia sustentável de longo prazo

A estratégia de Sustentabilidade da CBA parte da constatação de quatro megatendências, que influenciarão a empresa ao longo dos próximos anos e que representam desafios importantes para o negócio nas próximas décadas: Planeta sob pressão, Hipertransparência nas relações, Diversificação da matriz energética e Mudança no padrão de produção.

A partir dessas megatendências, foram definidos oito temas estratégicos para o atingimento dos objetivos de longo prazo das operações, materializados em iniciativas e metas com prazo de resolução até 2025. Para tanto, a CBA investe em inovação tecnológica continuamente para diminuir os efeitos dos processos no meio ambiente e ampliar a capacidade de reciclagem de alumínio.

Como resultado deste compromisso com a Sustentabilidade, a CBA obteve, em novembro de 2019, a certificação de padrões internacionais de Performance e Cadeia de Custódia da ASI (Aluminium Stewardship Initiative), organização sem fins lucrativos, que define as melhores práticas globais para o desempenho de sustentabilidade para a indústria do alumínio. O reconhecimento chancela a atuação responsável da Companhia em todas as etapas produtivas, desde a mineração e fabricação de produtos fundidos até a extrusão e laminação.

Em 2019, a CBA também se tornou signatária do Pacto Global. A Companhia tem uma governança de sustentabilidade que estimula ações e projetos alinhados também aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Mais recentemente, em 2020, a empresa aderiu ao compromisso com o clima promovido pelo Science Based Targets (meta baseada em ciência em português), iniciativa conjunta do Pacto Global, CDP, World Resources Institute e WWF. Dessa forma, a CBA compromete-se com a redução de emissões de gases de efeito estufa e manutenção da temperatura global em até 1.5°C de variação, conforme também prevê o Acordo de Paris.