Projeto da MRN sobre redução do custo no transporte de bauxita é reconhecido em prêmio nacional – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

Projeto da MRN sobre redução do custo no transporte de bauxita é reconhecido em prêmio nacional

 

Uma experiência bem sucedida que viabilizou maior produtividade no transporte de minério de bauxita na Mineração Rio do Norte (MRN), que opera no oeste do Pará, foi apresentada e premiada no Workshop Redução de Custos 2020 – 22º Prêmio de Excelência da Indústria Minero Metalúrgica, realizado pela Revista Minérios & Minerales nos dias 20 e 21 de outubro.

O case “Redução do custo da operação de transporte de bauxita nas minas da MRN”, apresentado pelo engenheiro Marcos Gonçalves, abordou a experiência positiva da mineradora na implantação de caminhões semirreboque, com capacidade de transporte de 70 toneladas, como alternativa para a substituição da frota de transporte nas minas de bauxita da empresa em 2019, que também gerou mais segurança para os empregados.

“Com maior capacidade de carga, esta alternativa proporcionou maior produtividade na etapa de transporte de minério, reduzindo o custo por tonelada transportada”, comentou Gonçalves.

O projeto de substituição da frota envolveu uma equipe multidisciplinar, formada por empregados das áreas de Manutenção, Operação de Mina e Instrução Operacional. O trabalho concorreu com outras 91 iniciativas de empresas de todo o Brasil, conquistando o 22º Prêmio de Excelência da Indústria Minero Metalúrgica na categoria “Redução de custos operacionais”.

Entre os diferenciais que garantiram a conquista deste projeto também estão a garantia de maior segurança e o engajamento da equipe envolvida.

“Na primeira fase, quantificamos a redução de custo de R$ 79 milhões para o ciclo de 2020 até 2024. A estimativa de redução para a segunda fase é de R$ 306 milhões. Paralelamente, o maior benefício não financeiro deste projeto é a diminuição de exposição ao risco dos empregados, pois haverá uma redução na circulação de 44 caminhões trafegando diariamente, o que representa uma redução de 30% na exposição aos riscos”, relatou o engenheiro.


Legenda da foto (Da direita para esquerda): Engenheiros Marcos Gonçalves e Igor Ribeiro, da MRN