Artigo do presidente-executivo da ABAL, Milton Rego, é destaque no portal Poder 360 – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

Artigo do presidente-executivo da ABAL, Milton Rego, é destaque no portal Poder 360

 

O alumínio brasileiro está pronto para o ‘Great Reset’, escreve Milton Rego

Até quando o vírus estará por aí? Quando poderemos circular outra vez sem restrições? De quanto será o tombo da economia? Muitas são as dúvidas desde que a covid-19 tomou de assalto as nossas vidas e colocou o mundo em compasso de espera pela volta ao normal.

Que normal será esse, aliás, é só mais uma dessas incertezas. Uma percepção, porém, tomou corpo entre analistas e líderes esclarecidos: temos a chance de redesenhar o normal, ou, em outras palavras, a maneira como vivemos e produzimos até agora.

O aceno mais eloquente nesse sentido veio do Fórum Econômico Mundial, em junho. A entidade anunciou que o Fórum de Davos, que acontece sempre em janeiro nos gelados Alpes Suíços, terá como tema em 2021 o “Great Reset” ou o Grande Reinício. A ideia, como explicou Klaus Schwab, presidente do fórum, é convencer líderes a construir conjuntamente e de maneira urgente as bases de um sistema econômico e social pós pandemia “mais justo, mais sustentável e mais resistente”. Quando o clube dos mais ricos vocaliza tal preocupação, é sinal de que uma grande parte da sociedade já pede novos caminhos.

A covid-19 expôs fragilidades e fraturas na economia e na sociedade há muito camufladas. Ruas vazias. Pessoas confinadas em casa, com tempo para entrar em contato com as suas inseguranças, com a estranha sensação de terem acumulado anos a fio bens sem uso definido, começaram a se perguntar: será mesmo que preciso disso tudo para viver?

A pergunta questiona a lógica que nos trouxe até aqui. Vivemos dentro do modelo linear de economia: a matéria-prima é utilizada para produzir um bem, que é consumido, descartado e trocado por outro novo em folha, e assim sucessivamente, em uma cadência cada vez mais frenética. Funcionou bem até o planeta emitir perigosos sinais de esgotamento: os recursos naturais são finitos e estão minguando, como a água, cidades não param de crescer e estão cada vez mais poluídas, a biodiversidade se encontra em permanente risco.

Eu, que moro em São Paulo, assisti admirado, da janela do apartamento, o onipresente colchão de poluição estacionado sobre a metrópole se dissipar nos últimos meses, revelando um insuspeito e belo céu azul. Da mesma forma que à noite, estrelas há muito cobertas por fumaça e fuligem, voltaram a brilhar. Há também mais pássaros na grande cidade. A poluição diminuiu em razão do apagão produtivo forçado pela covid-19 e a natureza deu as caras.

Claro, o mundo tem de voltar a funcionar, a produzir riqueza e melhorar a vida de seus habitantes, mas isso pode ser feito de um jeito diferente. Em uma economia circular, por exemplo, o objetivo é diminuir a intensidade de utilização de matérias-primas e de energia, focando na redução, reutilização e na reciclagem.

Mas não se trata somente de recuperar materiais. É uma maneira diferente de ver a economia, dentro de uma perspectiva de sustentabilidade: qual o impacto das minhas ações no futuro? O que busco para o meu produto: fazer o melhor ou produzir o menor dano?

Esse jeito de produzir pode ser observado em diversas cadeias produtivas. É o caso da indústria brasileira do alumínio. Pouco mais da metade desse metal consumido no país, 55,4%, vem da reciclagem. Estamos muito acima da média mundial, 25,9%. O Brasil é também há mais de uma década o campeão mundial da reciclagem de latas de alumínio para bebidas, com índices acima de 96% de reaproveitamento. Ou seja, quase todas as latinhas que entram em circulação em nosso mercado, são recolhidas e recuperadas.

Isso acontece por duas razões. Primeiro, porque a indústria do alumínio investiu no sistema de reciclagem e na metalurgia de aproveitamento da sucata. Hoje há pontos de coleta em praticamente todo o território nacional e uma engrenagem azeitada faz chegar o material recolhido até às fábricas. Estas produzem um alumínio com as mesmíssimas propriedades do metal extraído da bauxita. Houve também investimento em informação para o grande público, na forma de campanhas sobre a importância da reciclagem e de como fazê-la.

A outra razão tem a ver com uma característica importantíssima do alumínio: ele é infinitamente reciclável. Ou seja, pode ser refundido quantas vezes for necessário sem jamais perder as suas características. Sua resiliência o torna o metal mais reaproveitado do planeta. E essa é uma qualidade cada vez mais valorizada num mundo que caminha na direção de processos sustentáveis.

Um recente estudo global da Nielsen conduzido pouco antes da pandemia, apontou que os consumidores de países desenvolvidos –principalmente os mais jovens– se mostram dispostos a pagar mais por produtos ecologicamente corretos. “Marcas que estabelecem uma reputação de gestão ambiental têm a oportunidade não apenas de aumentar a sua participação de mercado, como também de construir lealdade entre os poderosos millennials de amanhã”, explica Grace Farraj, vice-presidente da Nielsen.

A London Metal Exchange (LME), que define o preço mundial dos metais, deve lançar, até o final de 2021, uma plataforma exclusiva de negociação para alumínio de baixa pegada de carbono. E aí entra o metal produzido a partir de uma matriz energética sustentável, como o alumínio brasileiro. A intenção de cotar um insumo com base no impacto ambiental de sua produção indica que a indústria consumidora do metal está preocupada com a rastreabilidade dos seus insumos.

Preços são mensagens que refletem a dinâmica da sociedade. Portanto, caminhamos na direção de uma economia verde. É um processo inexorável. Sua velocidade depende de vários fatores. Pode acelerar se houver, por exemplo, uma concertação de nações em torno do “Great Reset” proposto pelo Fórum Econômico Mundial. Próximo ou longínquo, o alumínio brasileiro está pronto para esse amanhã.