CBA se consolida abaixo da média mundial de emissão de gases de efeito estufa em produção de alumínio – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

CBA se consolida abaixo da média mundial de emissão de gases de efeito estufa em produção de alumínio

 

A nossa associada CBA recebeu, pela terceira vez consecutiva, o reconhecimento máximo no Programa Brasileiro GHG Protocol, que quantifica as emissões de gases geradores do efeito estufa. A empresa conquistou o selo ouro pela divulgação e verificação do inventário de emissões realizado em todas as suas unidades, relacionadas ao consumo de energia elétrica e emissão específica para transporte de bauxita.

O resultado do inventário permitiu que a CBA calculasse que no processo de eletrólise – etapa de redução do óxido de alumínio em alumínio primário – são gerados 2,56 t CO2e (toneladas de dióxido de carbono equivalente) para cada tonelada de alumínio líquido produzida. Globalmente, as emissões deste processo são de 12 t CO2e, de acordo com dados do International Aluminium Institute – IAI.

A emissão da CBA também é inferior ao índice de 8 t CO2e/ t alumínio líquido, valor de referência estabelecido pela ASI (Aluminium Stewardship Initiative), organização mundial que define padrões e melhores práticas globais para o desempenho de sustentabilidade na indústria do alumínio.

“Manter uma matriz energética renovável e ter uma emissão muito abaixo da média de mercado faz parte do nosso propósito de produzir alumínio que transforma vidas. Significa que estamos entregando, para o mercado, um alumínio mais sustentável, beneficiando também os targets de sustentabilidade de outros fabricantes de diversos setores da economia, além de gerar impactos socioambientais positivos para toda a cadeia. A partir deste ano, devemos reduzir ainda mais a nossa emissão, com a utilização de 100% de vapor originado de biomassa em nossa Refinaria”, analisa Luís Jorge, diretor do Negócio de Produtos Primários da CBA.

A CBA participa do Programa brasileiro GHG Protocol desde 2018, divulgando de forma voluntária os seus resultados de inventário de emissões no Registro Público de Emissões, plataforma on-line onde estão disponíveis os dados das empresas participantes do programa.