Durabilidade a toda prova – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

Durabilidade a toda prova

Há mais de cem anos o alumínio é utilizado em coberturas que se destacam pela longevidade e baixa manutenção

A durabilidade de materiais metálicos utilizados na cobertura de edificações está diretamente associada à perda de massa da camada protetora sobre sua superfície, de acordo com o grau de agressividade atmosférica onde a obra estiver inserida, provocando assim o efeito de oxidação sobre o metal.

Isso significa dizer que em um ambiente rural, onde geralmente a atmosfera é muito pouco agressiva, ocorre menos perda de massa e, consequentemente, o produto apresenta maior durabilidade. Em contrapartida, em um ambiente atmosférico caracterizado como industrial severo, a perda de massa ocorre de forma mais acentuada, ocasionando então menor vida útil dos materiais metálicos para cobertura.

O alumínio apresenta uma característica intrínseca bastante peculiar que o diferencia sobremaneira dos demais metais comumente utilizados na construção civil. Trata-se de sua elevada resistência à oxidação e à ação atmosférica da maioria dos ambientes, a qual lhe é conferida naturalmente pela formação de uma delgada camada de óxido de alumínio sobre a superfície do metal quando em contato com o oxigênio.

Contudo, diferentemente do processo de oxidação de cunho destrutivo que acomete outros metais, essa camada não tem caráter progressivo e também não deteriora o alumínio, atuando, na verdade, como uma espécie de proteção natural e permanente contra as intempéries.

Portanto, graças à capacidade natural do metal em formar esta camada protetora, as telhas de alumínio conseguem apresentar longevidade bem superior a de outros materiais metálicos para cobertura de edificações, independente de estarem em zonas industriais, litorâneas ou grandes centros urbanos.

Algumas obras famosas no Brasil como o Ginásio do Ibirapuera-SP (1957) e os centros de exposição do Anhembi-SP (1970) e Riocentro-RJ (1977) são provas incontestes da durabilidade das telhas de alumínio aplicadas em grandes empreendimentos.

Luiz Valério de Paula Trindade

Coordenador do Grupo de Trabalho Telhas de Alumínio

Associação Brasileira do Alumínio – ABAL

Contato:aluminio@abal.org.br

14 Comentários

  • Lívia Gabriela disse:

    Olá, gostei demais do conteúdo de vocês e gostaria de ir mais a fundo a respeito das propriedades do alumínio pois estou fazendo um projeto na faculdade sobre as telhas de alumínio mas de um jeito diferente, agradeço desde já pela disponibilidade.

  • Eduardo Cabral disse:

    Prezados Senhores,
    Vocês saberiam me responder se a telha de alumínio se deteriora com fertilizantes (uréia, cloreto de potássio e super fosfato)?
    É que está projetado um telhado verde (jardim) sobre a coberta e se pretende utilizar os referidos produtos na irrigação (fertirrigação).
    Atenciosamente,
    Eduardo Cabral

Deixe uma resposta para Eduardo Cabral Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *