Posicionamento oficial: o alumínio é essencial à sociedade brasileira na guerra contra a Covid-19 – Associação Brasileira do Alumínio – ABAL
Acesse a área do associado Fale Conosco
← voltar para Banco de Notícias

Posicionamento oficial: o alumínio é essencial à sociedade brasileira na guerra contra a Covid-19

O combate à epidemia provocada pelo novo coronavírus coloca o Brasil diante de escolhas difíceis e complexas. A necessidade de frear a aceleração do contágio tem de vir acompanhada de ações que garantam a preservação do emprego e da renda, neste momento de redução da atividade econômica. É importante que o País continue produzindo sem comprometer a saúde dos seus trabalhadores.

Nesse sentido, a Presidência da Republica publicou o Decreto 10.282/2020, com o objetivo de identificar e classificar os serviços e segmentos produtivos essenciais para que o País siga operando com um mínimo de efetividade, para garantir à população padrões indispensáveis de saúde, segurança e sobrevivência.

Dentro dessa visão, a indústria brasileira do alumínio se insere entre os segmentos produtivos vitais para enfrentar a crise sanitária e econômica que nos desafia, e que estão amparados pelo decreto presidencial. No entanto, é essencial que os governos federal, estaduais e municipais, além dos órgãos de controle, reconheçam essa condição, a fim de que operemos com a necessária segurança jurídica e que, ao lado de todos os brasileiros, ajudemos o País a vencer a pandemia provocada pelo coronavírus/Covid-19.

A seguir, listamos produtos, atividades e segmentos que utilizam alumínio e que são estratégicos no enfrentamento da realidade atual:

Tratamento de Água

  • O sulfato de alumínio é usado como floculante nas estações de tratamento de água.

Insumos médico-hospitalares  e embalagens de medicamentos

  • Embalagem flexível de antibióticos / medicamentos (blister) e produtos farmacêuticos;
  • Suprimentos médicos (embalagem de utensílios esterilizados) e equipamentos;
  • Superfícies antimicrobianas;
  • Equipamentos farmacêuticos.
  • Os sais de alumínio são adjuvantes em vacinas e estão diretamente relacionados ao aumento da resposta de imunização.

Embalagem de alimentos e bebidas

  • Embalagem flexível de antibióticos / medicamentos (blister) e produtos farmacêuticos;
  • Embalagens descartáveis e recipientes semirrígidos de alimentos para uso doméstico e “deliveries”;
  • Embalagens “longa vida” para bebidas como leite e sucos;
  • Latas de alumínio para bebidas, incluindo água mineral;
  • Aerossóis para produtos de beleza e higiene pessoal.

Eletrônicos e equipamentos de comunicação

  • Smartphones;
  • Sistemas de monitoramento, alarme e sinal;
  • Painéis elétricos e eletrônicos.

Transmissão e distribuição de energia

  • Fios e cabos nus ou isolados;
  • Caixas e tampas de metal;
  • Placas de interruptores e tomadas;
  • Estruturas de subestações e energia.

Materiais de construção

  • Portas e janelas;
  • Estruturas para fixação de painéis de vidros;
  • Painéis de parede.

Bens de consumo e duráveis

  • Geladeiras e freezers;
  • Ar condicionado e desumidificadores.

Transporte

  • Carrocerias, rodas e componentes para veículos e caminhões pesados;
  • Motores e transmissões automotivas;
  • Aviões e helicópteros.

Características industriais de operação nas diferentes fases da cadeia do alumínio

Ao afirmarmos que os produtos de alumínio são essenciais para a economia, enfatizamos também as peculiaridades da cadeia de produção. Ela cumpre diversas etapas de operação que funcionam ininterruptamente e que necessitam de controle e monitoramento constantes, a fim de garantir a qualidade e segurança do processo.

Mineração da bauxita

Várias etapas da lavra de bauxita são ininterruptas, desde a geração de energia por usina própria, que abastece equipamentos de lavagem do minério, passando pelo monitoramento das barragens de rejeitos e englobando as rotinas de manutenção permanente dos equipamentos. A interrupção de qualquer dessas ações compromete a segurança e confiabilidade do processo.

Produção de alumina (refino)

As plantas cumprem turnos ininterruptos em todas as etapas de refino, no sistema de revezamento 6 x 4 (seis dias de trabalho por quatro dias de folga). Também é necessário o monitoramento diuturno dos depósitos de resíduos sólidos e dos sistemas de tratamentos de água e de efluentes industriais. Para prevenção de emergências é necessário um reforço de mão de obra para alguns sistemas mais críticos. E o tempo de resposta ao problema não pode ultrapassar 2 horas, sob pena de danos irreversíveis ou de longo tempo de recuperação: precipitadores de hidrato, por exemplo, podem demorar até um ano para retomar a operação.

Produção de alumínio primário (redução)

O processo exige intervenções operacionais intensas, periódicas e instantâneas, a fim de garantir a eficiência e também a continuidade do processo. As rotinas operacionais são necessárias ao equilíbrio térmico e a sua operacionalidade. Os desligamentos não planejados são tratados como emergência e quanto mais rápido o restabelecimento da energia, mais rápida é a recuperação do processo.

Transformação do alumínio

Durante a laminação, a temperatura dos fornos de aquecimento e/ou espera deve ser mantida constante, para viabilizar a etapa seguinte de transformação. Devido às altas temperaturas de operação, o uso dos fornos é contínuo, a fim de evitar variações na temperatura de trabalho, o que danificaria seriamente os equipamentos. A operação também é contínua no processo de extrusão e nos sistemas de pintura ou anodização.

Reciclagem

Os fornos de refusão e reciclagem de alumínio operam com metal líquido em altas temperaturas, exigindo operação ininterrupta. A eventual solidificação do metal impossibilita a continuidade do uso do forno, exigindo procedimentos de alto custo para sua recuperação. Uma das etapas mais críticas do processo é a garantia da manutenção da temperatura nos fornos, preservando a produtividade do processo e a economia de recursos. Uma repartida total, gerada por uma parada longa, gera perdas pesadas, além de riscos à segurança.

 Também cabe destacar que a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), ressalta que as atividades das cooperativas e associações de catadores são consideradas funções de utilidade pública e de relevante interesse ambiental no sistema de coleta seletiva e no processo de reciclagem.

Desta forma, para a efetividade da economia circular, é necessário que as empresas de reciclagem de alumínio mantenham as operações, a fim de não interromper os trabalhos da cadeia de coleta, que já apresenta sinais de redução da separação dos materiais recicláveis, sendo misturados aos resíduos orgânicos e rejeitos.

A indústria do alumínio não pode parar

Diante do exposto, a Associação Brasileira do Alumínio (ABAL), em nome dos mais de 400 mil trabalhadores que atuam direta e indiretamente em nossa indústria, solicita aos Governos, nas esferas federal, estadual e municipal, às federações e aos demais entes, que reconheçam a essencialidade da nossa produção para o momento grave que o País atravessa, e que mantenham em funcionamento regular as empresas da cadeia do alumínio – desde a mineração da bauxita, seu refino e transformação em alumínio, bem como o seu processo reciclagem.

Inclusive é importante lembrar que são nas plantas industriais de reciclagem onde milhares de catadores entregarão o produto da coleta para o sustento cotidiano.

ABAL – Associação Brasileira do Alumínio